Conheça as principais causas de acidentes do trabalho no Brasil

 

Conheça as principais causas de acidentes do trabalho no Brasil

Dados atualizados até o ano de 2019, da Previdência Social, revelam que os números de acidentes de trabalho diminuíram, mas em contrapartida, o número de mortes aumentou,  alertando as empresas quanto ao cumprimento das normas regulamentadoras, para garantir a segurança e integridade física dos funcionários.

Por isso, é importante estar atento aos indicadores, para promover ações que contribuam com a queda do número de mortes no ambiente de trabalho. Estas ações se iniciam quando é feita uma análise de riscos no local, de modo a promover condutas que protejam e deem segurança ao funcionário.

É no desenvolvimento da análise de riscos, que serão estabelecidas as atividades executadas para a prevenção de acidentes. Para desenvolver um plano que seja efetivo, é primordial conhecer o local e analisar todos os tipos de riscos existentes, de modo a garantir que nenhuma área fique descoberta, gerando acidentes inesperados.

Para ter uma resposta positiva nos números, é importante incluir a equipe. É essencial dar ao funcionário treinamentos para seguir os protocolos de maneira correta e segura, pois será ele quem será o multiplicador de boas práticas. Por isso, treine sua equipe!

Continue acompanhando o artigo e conheça um pouco mais sobre as principais causas de acidentes de trabalho no Brasil.

 

As principais causas de acidentes do trabalho no Brasil

O Brasil se destaca no cenário internacional com suas normas e regras que regem a segurança do trabalho. Porém, ainda há uma falta no cumprimento da legislação, além da motivação e investimento em uma cultura real de prevenção de acidentes.

Dados divulgados pela Previdência Social mostram que, entre 2018 e 2019, ocorreu uma queda de 0,60% nos acidentes de trabalho. O número em 2018 foi de 586.017 e em 2019 passou para 582.507. Um ponto importante foi o aumento da quantidade total de trabalhadores em quase um milhão de 2018 para 2019.

Confira as principais causas:

 

Quedas

Mesmo com a NR 35 e o seu alto padrão de segurança, as quedas ainda representam 40% das causas de acidentes de trabalho no país. Diversos setores são responsáveis por este cenário, como a mineração, a construção civil e até a carga e descarga de um caminhão pode levar a algum tipo de acidente. Por isso, é imprescindível ter equipamentos específicos para o exercício dessas atividades.

 

Cansaço e falta de atenção

O cansaço é o grande vilão em diversos acidentes de trabalho, principalmente depois que o trabalhador já realizou aquela atividade inúmeras vezes. É comum minimizar os riscos e apressar alguns pontos de verificação antes da realização do trabalho.

Outra forma de visualizar o impacto dessa causa é por meio da fadiga e do cansaço tanto físico quanto mental. A atenção aos detalhes da tarefa fica reduzida, facilitando os acidentes.

 

Uso de equipamentos inadequados

É muito comum ver em diferentes segmentos a distribuição incorreta dos EPIs, e essa distribuição incorreta culmina em diversos acidentes. Portanto, é de extrema importância avaliar se o EPI fornecido atende a proteção específica.

Por exemplo:

A atividade exercida é risco químico e o EPI fornecido atende ao risco mecânico.

Uma ação que poderá prever e antecipar qualquer acidente que venha acontecer é mapear os EPIs por risco dentro da empresa, facilitando a gestão de EPI.

 

Repetições de movimentos 

Este tipo de causa para os acidentes do trabalho impacta diretamente no aparecimento de lesões, como:

  • As Lesões por Esforço Repetitivo ou LER;
  • Os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho ou DORT.

 

Estresse

O estresse pode ser subestimado muitas vezes, mas é o responsável pelo esgotamento físico ou emocional dos colaboradores. A síndrome de Burnout, ansiedade e até mesmo a depressão são sintomas dos impactos negativos do estresse e é importante ter atenção aos alertas, para evitar esse tipo de acidente de trabalho.

 

Não utilizar adequadamente os EPIs

É obrigação da empresa disponibilizar o EPI para seu funcionário, mas além do EPI estar disponível para o empregado, é essencial que este seja utilizado de forma correta para manter a integridade física e a segurança do trabalho. Por isso, é vital treinar e informar todos os profissionais sobre a importância destes itens. O treinamento fará com que os acidentes possam ser reduzidos, já que a equipe estará apta para fazer o uso correto.

Baixo investimento no setor

Ainda que as normas brasileiras sejam uma das mais rigorosas, o baixo investimento na prevenção de acidentes de trabalho ainda é considerado abaixo da média.

É muito comum que algumas empresas não cumpram as normas legislativas. E, este baixo investimento impacta diretamente na qualidade da segurança dada ao funcionário, provocando números significativos de acidentes. Logo, os equipamentos de segurança não terão a qualidade exigida e necessária.

 

Falta de fiscalização

É comum, por parte dos trabalhadores, existir alguma resistência ao uso do EPI, por isso é muito importante haver uma fiscalização rigorosa de modo a diminuir os riscos de acidentes.

Quando uma empresa tem baixa ou nenhuma fiscalização, impacta diretamente na exposição ao risco. Por esse motivo, além de exigir equipamentos de boa qualidade, garanta que a fiscalização esteja funcionando.

 

Fonte: www.danny.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *